O filme The Lone Ranger conta a história de um guerreiro nativo americano, Tonto (Johnny Depp) e um homem da lei em transição para um famoso herói mascarado, John Reid (Armie Hammer).

Esta é a história, mas como eles fizeram para contá-la é o que vamos conhecer aqui. Neste breakdown, vamos ver como acidentes com trens, perseguições ferroviárias, escorpiões e pontes explodidas foram possíveis nesta produção com direção de Gore Verbinski.

lone01

 

Trailer do filme The Lone Ranger

A regra dos 50 por cento

Para completar a sequência em que Reid e Tonto estão em cima do trem próximos ao fim da linha, e também grande parte das sequências do filme, o diretor Verbinski e o supervisor de VFX da ILM, usaram a regra dos 50 por cento. Eles sempre tentariam conseguir pelo menos metade das cenas na câmera. É claro que não teriam como alcançar isso em todas as cenas, mas esta foi a premissa básica.

behind

lone02

 

MPC The Lone Ranger VFX breakdown

 

Behind the Magic: The Visual Effects of “The Lone Ranger”

 

Explodindo a Ponte

Para explodir a ponte foram usadas uma combinação de cenas reais, trabalho em miniatura e simulações digitais. A cena mais aberta da ponte no filme é uma versão feita em CG, enquanto os closes foram feitos com uma versão construída em escala (1:5).

bridgeexplosion01

bridgeexplosion02

 

Cenas originais X Composições Finais

Neck-deep in scorpions

lick01 lick02

 

Cave escape

caveescape01caveescape02

 

The train pursuit

trainpursuitoriginaltrainpursuitroughtrainpursuitfinal

 

 Fontes

VFX adventures:The Lone Ranger por Ian Failes. Link.

 

E aí, já assistiu o filme? O que achou do visual dele?

 

Ótimas ideias a todos.
Adriano Dorow Darosi

Adriano Dorow Darosi

Publicitário, Editor, Motion Designer, fundador do AEdicas e namorado de uma professora universitária.

View all posts

Add comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *